Idade Maior

Treinar o cérebro, enriquecer a mente

Treino mental é um método de treino observacional e verbal que tem como foco o método cognitivo.


Treino mental pode ser considerado um - se não “a" - forma clássica de treino psicológico na aprendizagem de um movimento, quer no trabalho quer no desporto.

Conceptualizado por Volpert (1983) para o desporto, apresenta-se como um método de treino observacional e verbal, tendo como foco central o método cognitivo. Nos desportos de elite, o seu uso não está restringido a acções motoras que aprende, mas também na preparação para as competições desportivas.

No entanto, Paivio (1985) pontua que o treino mental tem efeitos cognitivos e motivacionais. Assume-se que o significado destes, pode ser diferenciado segundo dois pontos de vista:

1.Processo de aprendizagem onde a habilidade é orientada e os processos cognitivos acentuados;

2.Processo de preparação da performance onde a activação é orientada e os aspectos afectivos acentuados.

Treino mental como uma imagem para a acção
Estes aspectos tornam-se fundamentalmente diferentes na prática de treino mental e têm de ser considerados conceitos teóricos para o desenvolvimento e diferentes aplicações deste método. A organização das acções está baseado na antecipação da exigência da situação que apresentam um significado subjectivo para o indivíduo. (Hackfort, 1986, 1991,; Nitsch, 1986,; Nitsch & Hackfort, 1981)

Neste sentido, o treino mental é considerado como uma forma de antecipar uma determinada situação, estando o foco centralizado na sistematização da imagem do sujeito no desempenho de uma tarefa. As formas de visualização, incluindo a influência psicológica, poderão influenciar todo o processo de treino mental .

Condições prévias individuais para o treino mental
No contexto “acção-teórico” é possível diferenciar o treino mental como um formulário de antecipação situacional. Um dos pontos centrais são questões que dizem respeito ao relacionamento de imagens visuais e cinestésicas.

No entanto, a situação conceptualizada é teoricamente fracturada com as características da pessoa, da tarefa e do ambiente.

No que diz respeito à imagem latente do desempenho de uma tarefa, esta inclui a própria pessoa executando parte da situação. Não é possível uma imagem de acção sem actor. A tarefa refere-se à visualização mental de um determinado movimento, mas também às fases de preparação e interpretação da acção.