Idade Maior

Preservativo: o melhor amigo do homem

Porque ainda é o meio mais eficaz para prevenir a SIDA. Sabia que há cada vez mais casos na população portuguesa com mais de 50 anos?


Embora o número de novos casos de SIDA tenha caído para metade nos últimos cinco anos, a verdade é que a doença afecta cada vez mais as pessoas com mais de 50 anos. Uma nova realidade que vem demonstrar que a SIDA pode acontecer em qualquer idade, sobretudo porque hoje a sexualidade é vivida até mais tarde.

Por dia, fazem-se em Portugal cerca de 3300 testes VIH, mas muitos dos casos são detectados tardiamente, o que é um risco não só para o doente, mas também para a sociedade. Envelhecer com a doença pode implicar efeitos mais graves do que os normais.

Mais ainda se o diagnóstico for feito num estado avançado. O que acontece muitas vezes é que as doenças crónicas, próprias do processo de envelhecimento, mascaram os sintomas da SIDA e induzem a um diagnóstico errado ou mesmo inconclusivo. Os médicos não pedem ao doente que faça o teste (muitos assumem que este grupo etário não tem uma vida sexual activa) e este, por falta de informação sobre as formas de contágio ou os sintomas, não pede para fazê-lo.


Por outro lado, também a violência doméstica e o recurso à prostituição têm sido responsáveis pelo aumento significativo do número de casos nesta faixa etária. Contudo, o indicador mais preocupante está relacionado com a fraca adesão ao preservativo.

Geralmente, os homens mais velhos estão menos habituados e consciencializados para o seu uso, mas também menos motivados porque a parceira já entrou na menopausa. Já para não falar dos valores religiosos que permanecem bastante enraizados nesta geração. No entanto, o preservativo continua a ser a melhor forma de evitar a transmissão do vírus VIH/SIDA. Por isso, previna-se!

Em caso de dúvida ou se necessitar de algum apoio pode contactar a linha gratuita SOS SIDA, da Liga Portuguesa Contra a Sida, através do 800 20 10 40.